Fora do Closet na Mídia

Fora do Closet na Mídia

Fora do Closet na Mídia


Luxo com consciência

Em um espaço de 200 m2, no bairro paulistano vila conceição, está o showroom do fora do closet, boutique de luxo que seleciona peças de grife seminovas (em excelente estado!) – como bolsas dior, sandálias chanel, trenchcoats burberry, óculos céline e joias tiffany – para a revenda por valores superatraentes.

Sob o comando da empresária Sandra Raffaelli, apaixonada por moda, o negócio valoriza o consumo consciente e, de quebra, torna mais próxima das clientes a possibilidade de ter produtos de grandes maisons no guarda-roupa.

Depois de passarem por um processo de curadoria e rigorosa seleção, os itens escolhidos para figurar no catálogo do Fora do Closet – todos autenticados – são higienizados e disponibilizados para a venda, que pode ser realizada conforme a preferência de quem compra: pelo perfil no instagram, que conta com mais de 100 mil seguidores, e-commerce ou diretamente no showroom, com atendimento privé e hora marcada. “sabemos que a experiência do consumidor de luxo não é apenas comprar produtos de designers renomados, mas também reconsigná-los, ou compartilhá-los com alguém que os valorizem da mesma forma”, constata sandra, que transformou a sua paixão pelo universo fashion em business em 2011 e, desde então, só celebra o sucesso da loja, que além de realizar sonhos luxuosos ainda movimenta o mercado de maneira sustentável. nada mais chique.

FORA DO CLOSET NA VOGUE – A ARTE DE REVENDER.


Matéria feita com o Fora do Closet para a revista Vogue

VEJA NOSSA MATÉRIA NA VOGUE

Esqueça a imagem de um brechó cheio de araras amontoadas. O Fora do Closet passa a léguas de distância deste estereótipo e está mais para quarto de vestir dos sonhos – aqueles em que tudo é organizado e, mais importante, recheado pelas peças mais icônicas da moda.

Idealizado por Sandra Raffaelli, ela mesma uma colecionadora de it-bags clássicas, o espaço prega o desapego de umas para a felicidade de outras.
Funciona assim: quem quer vender entra em contato com o site, que também é e-commerce, e agenda uma visita. A peça é avaliada – para garantir autenticidade e qualidade – e entra para o rol de produtos em sistema de consignação. “Pagamos 70%  do valor da venda”, diz Sandra.

Na outra ponta, a de quem quer comprar, basta um clique – os produtos ficam disponíveis na página online e no Instagram e são entregues em todo o Brasil. Quer ver tudo ao vivo e a cores? Também pode. O espaço físico fica em São Paulo e o atendimento também é com hora marcada, bem em clima privé mesmo. Entre os achados, bolsas Hermès raras (aquelas difíceis de encontrar até nas lojas), Chanel, Fendi e Gucci, entre outras, com precinhos bem mais convidativos, seguindo o raciocínio second hand – uma Gaucho Dior, por exemplo, pode custar menos de R$ 400.
E, ainda que o forte sejam as peças de segunda mão, há itens – de vestidos de festa incríveis a sapatos nunca foram usados - com etiqueta e tudo. Casos típicos de desapego em primeiro grau! Vale a visita.


DONAS DE BRECHÓS FATURAM COM VENDA DE ITENS DE LUXO

FORA DO CLOSET NA REVISTA PEQUENAS EMPRESAS GRANDES NEGÓCIOS

Sandra Raffaelli é apaixonada por marcas de luxo. Há 3 anos, ela abriu um brechó e o site com R$ 40 mil. Hoje, vende em média 200 produtos por mês. Como trabalha com peças consignadas, após a venda, 70% do valor do produto é repassado e 30% fica com o brechó.

Veja a matéria inteira clicando aqui